1 de dezembro de 2008

Marx.


MARX NÃO MERECE DESCANSO!


A situação atual não seria melhor se, desde a pré-história, não houvesse competição, se vivêssemos em contínuo comunismo primitivo e tudo fosse em abundância. Só passamos por três revoluções industriais com muita disputa em todos âmbitos. A concorrência nunca agrada a todos, mas é necessária, e, como diria Quincas: "Ao vencedor, as batatas".

Um conjunto de fatores - os monopólios de poder, os níveis de formação acadêmica, e os óbitos (esses, geralmente, com mais efeitos em guerras e epidemias) - faz que consigamos organizar a sociedade do século XXI. E quem modela esse emaranhado populacional é o capitalismo e seu fiel subtítulo: a competição. Não há como evoluir sem a união desses dois fatores. Sem eles daríamos um belo descanso a Marx e Angels, que, provavelmente, iriam nascer e morrer no anonimato, sem motivos para o "Manifesto Comunista", contudo, não valeria a pena.

Disputei o colo da mãe, a nota dez com os colegas, o cargo comissionado na empresa e depois a gerência. Um colégio evolui com os melhores professores, uma empresa se diferencia com os melhores funcionários, o meio seleciona e assim o meio evolui. É o darwinismo posto em ação na sua melhor forma. Não há crescimento sem a eliminação dos não aptos.Desse modo, embora nem todos gostem de competir, ninguém pode negar que a competição foi necessária para produzir todo o desenvolvimento conquistado e todo o nosso sistema de mercado.

Marx não pôde descansar e que insanidade seria se ele pudesse. A competição administra tudo e funciona como o setor de Recursos Humanos de uma empresa. Ela assina a carteira, avalia e, talvez, assine o contrato. A quem não for selecionado, meus pêsames: o sistema não quer os bons, e sim os melhores. Nesse caso, é bom tentar algo que exija menos, ou se esforçar mais. A escolha entre competir ou desistir é de cada um.