13 de novembro de 2008

2010 - 1º ENEM.

O que é dignidade, INEP?

Fica aqui meu agradecimento aos que estavam em Porto Alegre no protesto iniciado no Parque da Redenção, representando o repúdio da maioria dos estudantes às atitudes que vêm sendo tomadas pelo governo. Assim como muitos que não puderam comparecer, nunca me senti tão bem representada como hoje.

Quero comentar sobre o:"O ENEM foi um sucesso, falhas acontecem". Tanto sucesso e por que não há inúmeros sorrisos e agradecimentos ao INEP por permitirem tamanho prazer durante e após a realização da prova? Quanto êxtase ao nos depararmos com a palavra "extrato social" ou com a questão de resposta indubitável numa questão de biologia: é ciclo do...

Além de ser repugnante, é triste ver o descaso de muitos políticos com o ocorrido, não há como ter consideração por um concurso em que nenhuma situação de isonomia seja respeitada. Não é preciso nem citar a FAPA (Porto Alegre) e o Colégio Estadual José Loureiro da Silva (Esteio) para mostrar as condições desiguais - nessas instituições alunos tiveram uma hora a mais de prova - podemos partir de pormenores.

Fiscais proibindo alunos de ir ao banheiro durante todo o período de prova; outros permitindo uso de celulares, calculadoras, borrachas, lápis, canetas coloridas, etc. Envios de SMS e até alunos indo ao banheiro com a prova. Se soubéssemos que podia ser tudo "tão legal" assim, poderíamos ligar para o UNE e agradecer, antecipadamente, a falta de apoio à nossa atual causa.

São apenas detalhes para quem está analisando de fora,porém eles são primordiais para a decisão de todo rumo que 2012 irá tomar para nós.

Quantos que se sacrificaram estudando podem ter a vaga que esperavam preenchidas por alguém que teve um fiscal "legal" que deixou colar durante a prova, ou por quem ganhou apenas uma hora a mais no sábado e no domingo? Foram dois dias de prova, mas as conseqüências vão ser determinantes para alguns. Há jovens que ano que vem não poderão fazer cursinho para tentar de novo, apostaram todas as fichas nessa prova, e outros inúmeros casos particulares que não estão sendo considerados.

É, Brasil, minha triste nação feliz, que desencanto. Fico feliz que dessa vez murchamos diferentes, embravecidos com o descaso e desrespeito à toda nossa caminhada. Parabéns a todos jovens que se mostraram dignos da cidadania que possuem. O direito é nosso, agora nos cabe esperar e descobrir se o INEP sabe construir dignidade e sabe reconhecer essa palavra não somente no tema de redação.

Escrito por Bibiana Centeno Vieira,
sábado, 13 de Novembro de 2010, à 1h.